segunda-feira, 23 de abril de 2018

57. "Pecado, medo, culpa e inferno" da igreja, arrasaram com a libido instintiva do nativo e do branco (REPOSTAGEM)


O povo dos tempos idos, bem como os nativos, já sabiam do poder espiritual da energia sexual e o ato já era livre e aberto entre todos. Tudo sobre o sexo já era familiar a todos, a masturbação mútua, sexo oral, anal, grupal e inclusive as posições. Em relação ao sexo, os nativos sempre o tiveram livremente como “troca de energia evolutiva”, razão porque eles eram os entendidos no assunto, enquanto os brancos eram os iniciantes, os primitivos. Daí veio a igreja com  dissimulada desculpa de “catequizar e educar” insinuando  grande pecado e culpa uma vez que o nativo já o sabia  pela Natureza, sê-lo “evolutivo e sagrado”.
Hernán Cortez, no México já estava muito bem informado sobre a visão sacra da energia sexual entre os Povos  Maia, Cherokee e Lakota, os Oglála, os Shinchángu, os Mnikhówozu, os Itázipcho, os Sihásapa, os Oóhenunpa, os Hunkpapha...na qual a homossexualidade era comum, muito praticada  e muito respeitada entre os nativos que eram conhecidos como “Dois Espíritos”. Os Maias viam o prazer sexual como um espetacular dom divino concedido pelos deuses. A masturbação ritual, era praxe entre os indígenas da América do Norte e Central e a carícia entre dois seres, fossem eles do mesmo sexo ou não, fazia parte do ato que acontecia livre e abertamente. Estivesse o homem com libido, ele procurava tocar as partes íntimas da mulher como incentivo ao sexo, e a mulher correspondia seus anseios com sensualidade. Caso fosse o sexo homossexual, acontecia da mesma forma com fortes desejos. Os Maias deixaram estatuetas esculpidas  em pedra sobre as diversas posições sexuais entre parceiros héteros e homossexuais que estão  numa sala do  Museu Nacional no México, e há vários documentos e fotos do Povo Lakota sobre suas uniões homossexuais. A Cultura Lakota comenta que a união homossexual masculina entre sua gente, era muito mais comum do que se pode imaginar nos dias atuais.

Por saber que o sexo é uma poderosa  troca de energia evolutiva entre os parceiros, fossem eles quais fossem, a igreja tratou de logo criar o “pecado sexual”, para limitar e oprimir o homem e a mulher de bem, e hoje, infelizmente, ainda se vê mulheres e homossexuais inibidos e deprimidos por falta de esclarecimentos. Você, caro leitor pode não aceitar, talvez desconheça que gêneros sexuais espirituais são masculino, feminino, homossexual- masculino e homossexual-feminino. Recomendo a leitura dos meus textos-mensagens  nºs “27.Sexo,simbiose de Energia Cósmica”  e “28.Gêneros sexuais”, neste mesmo site.

O museu peruano sobre os Povos Idos da América Central, por volta de  1957, foi aberto  publicamente, para que o povo pudesse conhecer a cultura sexual pré-Colombiana  nas estatuetas esculpidas sobre as posições sexuais entre homens/mulheres , homens/homens e mulheres/mulheres.Tudo foi moldado e esculpido de forma bem explícita em posições sexuais que faria qualquer mulher de hoje se corar de vergonha por falta de informação.

Também entre os Cherokees, as mulheres eram livres para o sexo e tinham “poderes” igualitários aos do homem que podiam, inclusive, integrar o Conselho da Tribo e serem guerreiras. A prática homossexual era muito comum e muitissimamente praticada entre todas as tribos. Eram chamados de “Dois-Espíritos” e eram considerados sagrados, onde todo homem os procuravam para ter uma experiência sexual.

A América e a Europa subjugadas pela igreja católica foram seriamente reprimidas com o holocausto da  inquisição que combatia os homossexuais abertamente, mas os próprios padres e bispos o faziam escondidamente como tem acontecido desde os tempos idos . É sabido e muito conhecido, que para ser Xamã nas  tribos do Canadá e Estados Unidos, bem como Pajés na América Central e do Sul era necessário ser “Dois Espíritos”. A questão sexual entre os nativos brasileiros ainda não mereceu grande interesse dos estudiosos. A sodomia* masculina e feminina que é a pratica do sexo anal, foi barbaramente reprimida pela igreja naquela época mas as mulheres eram frequentemente abusadas pelos padres como meio de evitar a gravidez e os garotos eram, por eles, levados ao sexo anal.
Os jesuítas, além de mandar  buscar tecido de algodão em Portugal para cobrir a nudez indígena, ainda os intimidavam  com o  “pecado sexual em suas mentes” o que veio trazer grandes transtornos para a cultura dos ameríndios.

Sodomia* palavra criada pela igreja na época da sua chegada a Europa, para limitar, oprimir e dominar a mente humana, uma vez que a prática sexual entre os povos de Sodoma e Gomorra não era depravada ou pervertida como prega a isca católica. A igreja sempre usou de “iscas” e inverdades para dominar o mundo e isso vem vindo desde as suas bases no império romano.
Thunna Burnama (Thunkásila Hehaka Phá)

                                                            

quinta-feira, 19 de abril de 2018

56. O Sol, Deidade Existencial Planetária (REPOSTAGEM)


O Grande Mistério da Criação Multiuniversal, conhecido pelos índios Xamanistas Lakota de “Wakháŋ Tháŋka, jamais elegeria um ser carnal-racional para a Deidade Universal, por ser o ser racional sujeito às vaidades, veementes desejos e tentações do ego. Assim, o Grande Sol Central, UniFonte do Poder, da Luz, da Criação e da Vida Existencial, se fragmentou, incondicionalmente, para formar uma Deidade Soberana Solar para cada Galáxia viva com Ele coexistentes.

Importante é, que a humanidade pare de dizer que nem tudo que está “no céu” é um planeta e que a Terra é o único planeta habitado.Todos os Astros do Cosmo, são planetas, inclusive as Estrelas que são planetas menores. E TODOS os planetas, - que são milhares  -,  são habitados, mas o único planeta de Altíssima Frequência de Luz, Poder, Mantenedor da vida e Vida Existencial Própria, é o Sol, por ser a Soberania de Toda a Fonte da Criação, de Poder e da Vida, e que fornece a sustentabilidade da vida aos planetas de todo o Universo. Sem a Deidade-Sol jamais existiria a própria existência da vida.

Como Gênese Soberana da Criação e UniFonte Soberana do Universo que é, o Ser-Vivo-Sol é co-habitado por seres que alcançaram a Altíssima Dimensão Espiritual e Frequência de Luz. Razão porque mesmo os seres de alta ascensão, louvam esse Planeta-Deidade Divinal e os que habitam planetas já evoluídos, ainda não conseguem se adentrar sequer aos derredores desse Planeta Divino. O que poderá então dizer, dos seres de planetas que ainda não passaram por todos os Estágios da Ascensão e, consequentemente, se mantém ainda nas baixas dimensões e frequências, como a Terra, por exemplo, que não consegue sequer entender, a razão dessa Mega-Frequência Divina de Luz, que é a Deidade-Existencial-Soberana-Sol ?
Não importa a variedade de nomes que esta Soberana-Deidade possa ter na Terra, se Sol, Zon, Sonne, Sun, Om, Mitra, Thuŋkášila Wí, Kuracy,СОЛНЏЕ, Soleil, Sunce, Suno, Soare, Solis, Helius,o que importa é que  Ele é a nossa Divindade Absoluta de onde tudo deriva e  provém e que através do qual todos os seres do Universo compartilham a vida e a sua existência o que sem Ele não seria possível.
Thunna Burnama (Thunkásila Hehaka Phá)


                                                               



sábado, 14 de abril de 2018

55. Odin, Vikings e a chegada da igreja (REPOSTAGEM)


                                                                           Informação consciente é Luz!
Os povos que se estabeleceram na Escandinávia, vindos da Ásia - da Mongólia e região, berço do Xamanismo  - e que foram chamados de  “Vikings” na Escandinávia, eram povos extraterrestres vindo de um Universo distante do nosso. Era um  povo forte, robusto, de conduta espiritual xamanista muito elevada e Odin, de ilibada conduta espiritual, era o seu poderoso Mestre.

O termo “Viking” quer designar justamente isso, “de fora”, “distante” e não eram povos bárbaros, ladrões e invasores, que somente a nossa era consegue assim enxergar. Seu planeta de origem, muito evoluído espiritualmente, era ligado ao Planeta Terra por uma “ponte dimensional de justiça e alta frequência de luz” onde o vai-e-vem de transeuntes era intenso.
O nome Asatru, modernamente usado, se refere a essa conduta espiritual superior desse povo xamanista, de elevada sabedoria espiritual, cuja origem é da idade da pedra.

Esse povo, deixava de ser nômade como era na Mongólia dos tempos idos, para se transformar, na Escandinávia, em lavradores, por acreditarem que a terra, a natureza, era a Energia da Procriação, algo muito divinal e sublime da Espiritualidade Superior. Eles a tinham como a Divina-Mãe-Terra, que cuidava, protegia, dava abrigo, alimentava e abençoava com a saúde, disposição, justiça e coragem. Assim, eles conceberam a terra como um Ser Vivo, dotado de Alma e consciência própria e a louvava como a Divina-Mãe-Terra Absoluta. Isto é a conduta Espiritual Xamanista, onde a Natureza é formada de Seres Vivos, com consciência própria.

Asatru foi por centenas e centenas de anos, o Caminho Espiritual dos diversos povos nórdicos que trouxeram consigo, de seu planeta distante, esta consciência de vida. Povos como os Escandinavos, os frísios, os húngaros, os Anglo-Saxões e seus ancestrais juntamente com os Gaélicos, os ingleses, os teutões – predecessores dos Alemães – os ancestrais Holandeses, os Godos – Visigodos e Ostrogodos -, os Eslavos – Longonbardos e Russos.Suas raízes são indo-européias juntamente com as raízes espírito-culturais dos Celtas.
Já nessa época, essa conduta espiritual superior, consciente e pura, desse povo, foi sendo  destruída e esmagada por  campanhas genocidas e violentas praticada pela igreja cristã, que buscava super poder, domínio e riqueza para uma monarquia papal à qualquer  custo, - mesmo que tivesse que exterminar os opositores dessa idolatria doentia -,  para domínio absoluto do Planeta, limitando, desapropriando, matando  e dominando a todos.

Esses povos nórdicos, de forte consciência espiritual, eram povos saudáveis e vigorosos com energia de evolução extraterrestre, que viam na energia oferecida pela terra, o marco divinal, mas que não tencionavam, absolutamente, converter ou doutrinar à ninguém para as suas tradições xamanistas, de forte devoção à Divina-Mãe-Terra. Acreditavam, vigorosamente, que cada ser se aprontava para a Soberana Fonte da Luz, do Poder e da Vida quando se julgasse pronto. Entretanto, se viram intensamente ameaçados pela fúria e ganância da igreja cristã que já caminhava à passos largos, causando desconforto e aflição espiritual desses povos, com constantes intimidações e ameaças de morte a quem não se convertesse ao cristianismo. Grupos de missionários se infiltravam e alastravam pela Europa afora, levando vãs promessas cristãs de melhores vidas. Padres cristãos ‘trabalhavam’ intensamente na Bretanha destruindo e massacrando, ardilosamente, os templos desse povo para construção de pequenas igrejas cristãs, de madeira, tijolos e pedras para fortificar a presença e o domínio ditatório deles. Fabricavam  incalculáveis  números de cruzes de madeira para infundir o cristianismo, custasse o que custasse, mesmo que mentindo, dissimulando e matando.Muitos que não a aceitavam, eram barbaramente exterminados pela hipocrisia e tirania da igreja, que não perdoava.Eram mortos em emboscadas e até mesmo a sangue frio. A igreja que tantos louvam e admiram hoje, só trouxe conflito, destruição, opressão, medo, hipocrisia e morte para o povo, até mesmo aos inocentes.

Já por volta do ano 700 da era comum, tiranizando e oprimindo o povo, construíram monastérios no norte da Inglaterra, e um cristão chamado Bede, se dispôs, inclusive, a escrever um livro que falasse sobre o ‘crescimento’ da fé cristã, na Inglaterra,  como engodo para o povo. Mentiam abertamente para conquistar, hipocritamente, o domínio das massas. Aquele que se negasse a se converter à ‘nova fé da cruz’,  passava pela morte no fio da espada e isso aconteceu a milhares de germanos que foram trucidados por essa igreja, que na era atual "dá uma de inocente". Era a “religião do amor” desapropriando, tiranizando, trucidando e matando ao fio da espada, em nome do poder, da ganância e de uma monarquia papal doentia e absoluta, para limitação e domínio absoluto do mundo. Famílias inteiras, criancinhas de colo, jovens e adultos, foram assassinadas sem dó e nem piedade pela fúria gananciosa da igreja que não se deixava intimidar.Era o sacerdócio da fúria, da matança, da desapropriação e ganância, com uma única meta: uma monarquia papal onde a igreja seria a lei e o mundo!

Por volta do Sec X, o povo da Noruega se viu obrigado a se converter ao cristianismo sob forte influência intimidativa  dos reis cristãos Olaf Tryggvarsson e Olaf II “o sagrado”, que determinavam  mortes dolorosas - em nome do Cristo - a todos que os impedissem. Foi um tempo de forte tirania e terror dominante na Europa. Promoveram a destruição pelo fogo, em massa, de todos os templos Asatrus, sequestrando a tudo, massacrando e matando ao fio da espada, aos que ainda os impedissem e expulsando a todos os Asatruses da região. Foi - além de vários outros - um dos grandes genocídios da igreja, que para alcançar a sua meta, destruía e matava a quem estivesse contra a igreja.
Alguns expulsos se estabeleceram na Islândia onde ainda não havia domínio de reis católicos e nem perseguições que levassem à morte, aos adoradores da Natureza, da Divina-Mãe-Terra, da Deidade Solar, da Espiritualidade Superior. Entretanto, mesmo na Islândia a chama Xamânica da Espiritualidade Superior, já se mostrava baixa pelo medo, vindo a  apagar-se, com o começo das inúmeras ameaças da igreja ao povo, que se sentia amedrontado por tamanha crueldade nas mortes que já haviam começado a se mostrar. Não havia mais paz e sossego, mas desapropriações, massacres, destruição e mortes em nome da ganância dominadora da igreja.

Por volta do ano 1.000, sob forte pressão de diversos reis cristãos que já se haviam  “vendidos” à seita religiosa cristã doentia e constantes ameaças de guerra, boicotes de todo tipo,dificuldade comercial, e todo tipo de ardil da igreja como fome e assassinatos, a Islândia  teve que ceder aos caprichos sanguinários da igreja cristã, que com as inúmeras desapropriações ao fio da espada, mantinha seus cofres abarrotados de riqueza e escrituras imobiliárias.
Thunna Burnama (Thunkásila Hehaka Phá)



domingo, 8 de abril de 2018

54. O Sopro da Vida (REPOSTAGEM)


“Espiritualidade é o sopro de vida que lhe mantém vivo, mesmo morto.
Religiosidade com suas doutrinas é o sopro de morte que lhe mantém morto, mesmo vivo.”
                                                                                                            (Thunna Burnama )

Somos Alta Frequência de Luz Cósmica, que em constante conexão com a Soberania da Luz Universal, o Soberano Sol, mantemos nossas “baterias” carregadas com uma enorme Energia Polarizadora. Somos Luz e recebemos a nossa soberania como seres humanos, da Soberana Fonte de Luz, do Poder e da Vida. Sem essa Deidade Infinita, jamais haveria vida existencial no Universo. A nossa capacidade de deletar poderes da escuridão bem como curar, é derivada da Soberana Fonte da Luz, do Poder e da Vida, porque somos seres polarizadores.  Significa, pois, dizer, que somos Seres Soberanos, que recebemos o Sopro de Vida da Soberania da Luz Universal e concentramos em nós mesmos, uma Poderosa Energia Curadora, que nos capacita difundir a Luz, a Cura, o Amor Incondicional e a Criação, porque fomos criados pelos Mestres-da-Luz-Geneticistas Pleiadianos e Arcturianos.

O Universo está em nós mesmos. Não precisamos buscar em lugar algum, mormente nas hostis  religiões com suas doutrinas infundadas e pregações ardilosas. Somos a “Extensão da Consciência Soberana” e, portanto, capazes e responsáveis por nós mesmos; nós nos governamos sob a iluminada Sapiência Divina. Ninguém é vítima e não há “martelo batendo pra julgar pessoa alguma”.Todos os fatos e acontecimentos de nossas existências, são experiências vivenciadas pelo desejo e escolha de nossas próprias Almas à Caminho da mais Alta Frequência da Luz, principalmente as experiências sexuais, e cada um tem o seu tempo de se aprontar para a Evolução.

Nascemos Xamanistas, por assim dizer, porque somos UM com a Natureza, uma parte integrante que não coexiste sem ela, e o Xamanismo é a Natureza, a liberdade da coexistência, o sopro do vento, o brilho da lua, a Luz da vida advinda do Soberaníssimo Sol, do fogo que queima para imacular; a água, os rios, os animais e plantas, as árvores e pedras, os montes... a terra que nos alimenta e nos abriga, e nos conforta como Mãe. Simples assim !

O Xamã inala a Luz, a Poderosa Força da Natureza na sua inspiração, para exalar como polarizador da Energia Curadora da Soberana Fonte, a Energia Imaculada da Cura na sua expiração. Desta forma, ele atua contra todas as forças da escuridão que tentam desequilibrar a energia do ser humano, e aonde há Luz a escuridão não pode resistir.

Ser Xamã é “soprar a essência da vida” totalmente desprendido de si, da vaidade e estar em total conexão com a Divina Mãe-Terra. E para ser um “Soprador da Essência da Vida” é preciso estar muito além de si, por ser uma posição de destaque espiritual, discernimento, doação, honestidade e Sabedoria do Alto, que todos os seres trazem consigo, mas que infelizmente muito poucos têm consciência disso, por não estarem em constante conexão com a Sabedoria da Luz Universal, mas presos a doutrinas, incorporações, crenças religiosas e ao inexistente deus inventado pelos patriarcas da igreja, que pregam a ganância, as inverdades,o milagre,  a hipocrisia, as limitações, as vaidades e bloqueios.
Enquanto o ser humano sentir-se dependente das crenças e suas pregações doutrinárias ardilosas, crendo nas suas inverdades ambiciosas, ele não estará livre das amarras negativas que o prende.
O Sopro Espiritual é o agitamento da Energia do Vento que traz vida. Esse agitamento cria vibração e sons sagrados conhecidos por Mantras, como OM, por exemplo, que é a vibração do Poderoso Deus-Sol.
Em Sânscrito, man significa mente e tra, liberação, liberdade.
Thunna Burnama (Thunkásila Hehaka Phá)

                                                                        

sábado, 31 de março de 2018

53. O enorme desafio (REPOSTAGEM)


A Humanidade tem à sua frente, um enorme desafio para se libertar das limitações, opressões e dominações das crenças religiosas com suas inverdades doutrinárias, pregações e cultos a um deus que jamais existiu; tradições, rituais e escritos intimidativos, ilegítimos, dissimulados, gananciosos e infundados, à tempo de salvar a si e o Planeta das inúmeras possibilidades catastróficas.
O despertar é agora, o tempo urge, e tanto a Humanidade como o Planeta Terra, precisam da Evolução tão incondicionalmente planejada pela Soberana Fonte da Luz Criadora.
Não há crescimento existencial se você se submete às crenças religiosas com suas doutrinas, pregações impulsivas pelo dinheiro, ouvindo refrões doentios de lavagem cerebral e ainda se prendendo aos conceitos textuais limitadores, vexatórios e controladores da igreja, que desde o início de vida existencial da Terra, vem se apropriando, matando e trucidando os seres humanos: monarquia papal, templários, cruzadas,  império romano, inquisição...e tantos outros movimentos sanguinários pelo poder e opulência.

A sua Alma anseia por sabedoria.
Somos Seres Espirituais evolutivos e multidimensionais, “eternos viajantes galáticos”, que aqui estamos para sermos livres e abundantes, libertos das restrições, opressões e domínio de igrejas, dos pregadores,  das  incorporações e dos governos gananciosos, que buscam o poder e a opulência à custa da dissimulação, do sacrifício, trabalho e fome do povo mal informado. Querem o domínio para escravizar os povos, se esquecendo dos idos tempos negros deste planeta onde a igreja levava o povo ao suplício e à morte após a apropriação de seus bens e posses pessoais. A igreja abarrotou seus cofres com dinheiro, jóias, obras de arte e escrituras imobiliárias!!!
A Humanidade não é culpada de coisa alguma, absolutamente, e sequer é “pecadora” como a igreja quer fazer os menos-informados acreditarem, uma vez que “o pecado” tanto quanto “o inferno”, foram  mais duas das tantas “invenções intimidativas” da igreja para deprimir e abater os povos. Somos Luz Divina, seres soberanos iluminados pela Soberana Fonte Central de toda Luz, Poder e Vida: o Soberano Sol Central.

Não se deixe enganar por conceitos textuais e pregações ardilosas e ambiciosas, que tem matado centenas de milhares de Almas inocentes mundo afora. Os ociosos pregadores da falsa-luz, sob o comando da hierarquia da falsa-luz, estão cada vez mais milionários com a apropriação do seu dinheiro, enquanto você, caro companheiro de Jornada, “dá um duro tremendo” para ganhar a vida trabalhando honestamente. Você esteve a todo esse tempo orando por extraterrestres que há séculos visitaram a Terra e foram “transvestidos” como “seres milagrosos”, “santos”, “anjos” e “deuses”. Não se iluda, acorde desse sonho trevoso e busque a Luz Divina nas meditações, porque  a Divindade é a Soberana Fonte da Luz, do Poder e da Vida.O deus formatado pelos patriarcas da igreja, sob a égide da hierarquia da falsa-luz, é uma farsa; é um holograma para lhe intimidar e iludir,  tanto quanto os seres etéreos que se transvestem como “espíritos de luz” nas incorporações e canalizações.O “time da hierarquia da falsa-luz” está atuante para lhe enganar energeticamente como tem feito desde então.
Somos Extensão da Luz Criadora, seres soberanos iluminados pela Soberana Luz do Sol, que juntamente  com todos, compomos o Corpo de Luz do Universo e estamos criando a nossa realidade de vida o tempo todo; só precisamos nos conscientizar disso.
 
Desperte desse ardil projetado pelos patriarcas da igreja desde o império romano, sob o comando da hierarquia draco-reptiliana da falsa-luz para que você possa resgatar a sua soberania como Ser da Luz Divina que é e “garantir” a sua nova existência com Consciência Divina.

As religiões com o seu deus, cultos e escritos, são elementos hostis criados pelo próprio homem aliciado pelo sistema, para manipular, controlar e debilitar a capacidade individual e coletiva da raça humana ao longo do tempo, e que vem legitimar a anarquia, a corrupção, seus assassinatos, o racismo, o preconceito à sexualidade e à homofobia. Inventaram um deus à semelhança do homem para iludir, comover e explorar os menos-informados, porque querem viver na ociosidade à custa de quem trabalha arduamente.
Isso é isca da hierarquia draco-reptiliana da falsa-luz para a queda espiritual da humanidade e do planeta!
Thunna Burnama (Thunkásila Hehaka Phá)

                                                                                                         



segunda-feira, 26 de março de 2018

52. Dinheiro, a sua energia e o fluxo de dar/receber. (REPOSTAGEM)


As pessoas Espirituais, críam um caos por causa do dinheiro. Passam a ver o dinheiro como sórdido, como transgressão, como energia de baixa frequência, e até chegam a evitá-lo. Esta é a conjetura que se fazem à respeito do dinheiro ao associarem-no com o poder, com a riqueza ilícita e com o ganho fácil às custas de outrem.O dinheiro até chegou a ser o reflexo do poder, quer dizer, tem dinheiro, tem riqueza, então é poderoso e influente. Essa analogia como outras tantas, é uma das principais razões porque o fluxo da prosperidade e da abundância, é bloqueado do campo vibratório das pessoas. Lembre-se que pensamentos e emoções criam a realidade de cada vida. Se pensa que a energia do dinheiro é deletéria, é baixa, é má e sórdida, então seu campo vibratório se bloqueia para esse fluxo. É assim que funciona.

Entretanto, o dinheiro é uma energia neutra, inócua e até ingênua. Será energia positiva ou negativa, dependendo de como o recebe ou de como o passa à frente. Ele oferece muitas oportunidades para quem o tem, e é potencial, não havendo nada de mau ou errado nisso quando não há ambição. Também não há verdade alguma em dizer que os Espirituais, os Trabalhadores da Luz, que recebem dinheiro de outrem, estão “fazendo comércio com o sagrado” ou vivendo à custa do dinheiro de outrem porque os Feitos Espirituais não podem ser compensados ou pagos. Me refiro aos Espirituais,Trabalhadores da Luz, e não a religiosos, limitados à seitas, dogmas e doutrinas textuais por nada haver de espiritualidade nesses contextos
Com o dinheiro arrecadado, o verdadeiro Ser Espiritual, Trabalhador da Luz, um Xamã ou um Terapeuta Holístico, é capaz de usá-lo muito bem, para si e ainda criar muitas situações para ajudar aos necessitados. É a tão necessária troca de energia. O Xamã dispõe a sua energia de luz ao necessitado e ele dispõe a energia do dinheiro ao Xamã. Assim, quando o Xamã recebe o dinheiro pela troca de energia, mais o valoriza e o valora,  mais cria e mais ajuda. Este círculo criativo, sempre dá origem à uma corrente de doação, de tal forma que o dar/receber esteja perfeitamente equilibrado. O coração age assim, portanto companheiro da Luz,  não se sinta constrangido, tímido ou rejeitado em receber dinheiro ou doação por um Trabalho Espiritual feito como Trabalhador da Luz seja  um Xamã ou um Terapeuta Holístico. O fato do Trabalhador da Luz não aceitar dinheiro pelo seu Trabalho Energético, bloqueia fortemente a energia do dinheiro na sua existência e ainda invalida o seu Trabalho Espiritual para quem o recebeu por não estar perfeitamente pronto para entender e discernir o que seja “valor” e “preço”.

Há muitas idéias negativas sobre o que é o dinheiro e o que ele representa na vida dos terrenos. Muitos Trabalhadores da Luz sejam os  Xamãs ou  os Terapeutas Holísticos,  associam o dinheiro como algo desprezível e vulgar, quando é exatamente o oposto. Ele é realmente desprezível e vulgar para os ociosos da Luz, que não desprendem  energia da Luz para ajudar aos necessitados,  mas por ganância.
O verdadeiro Trabalhador da Luz, seja o Xamã ou o Terapeuta Holístico, que Julgar o dinheiro vulgar, é cortar o fluxo de abundância e prosperidade da sua vida, quando o verdadeiro Trabalhador da Luz - aquele que recebeu do Alto a sua sapiência – deve desfrutar do valor recebido pela sua ajuda espiritual. Entretanto, os ociosos da Luz ainda  presos à falsa luz da  religiosidade e doutrinamentos terrenos, criam um campo vibratório muito negativo na sua existência por iludir os irmãos da Luz.

Como já foi mencionado anteriormente, nem todos podem ser um Trabalhador da Luz e muitos buscam em cursos terrenos, a oportunidade de sê-lo desconhecendo o verdadeiro sentido da Energia do dinheiro, de “preço” e “valor”. Por isso, me refiro aos verdadeiros Trabalhadores da Luz, aqueles que receberam e recebem a sapiência do Alto e não investindo em cursos terrenos, que nada tem de Amor Incondicional. Todos os terrenos são Seres da Luz, cujo compromisso é com a Fonte Soberana  mas quem não estiver pronto para esta vida, estará  numa próxima vindoura ou na próxima...ou na próxima...
Muitas crenças vieram de erros de vidas passadas, de séculos passados, onde as pessoas faziam abstinência do mundo material. Vidas que foram passadas na solidão de um lugar,  na pobreza, na abstinência sexual, como eremitas, desprovidos do companheirismo e da abundância, cujas vidas eram direcionadas apenas à vida espiritual. Vidas que trilharam os mesmos enganos e erros de tradições familiares impostas por crenças religiosas para trazer a limitação e domínio, incutindo sofismas e inverdades, como culpa, pecado e maculação da energia sexual. A Energia dessas vidas passadas ainda repercute no campo de energia, porque esse tipo de vida é limitação, é opressão, é fraqueza que não levou e não leva senão à retardamentos evolutivos, doenças mentais e de comportamento por que nada há de Evolução Espiritual.

A abundância material é parte da Natureza, é natural à todos os terrenos. Tudo que a Terra lhes dá é para ser desfrutado e usufruído e faz parte da existência. É natural amar a Mãe-Terra e a tudo que ela oferece; é natural sentir os prazeres que a Terra oferece e que sua Alma quer experienciar. Amar a Terra e a realidade material cria um forte fluxo de abundância e prosperidade e, consequentemente, de alegria e felicidade. A Terra quer prover à todos de tudo o que necessitam. Não é somente crescer e evoluir como um Ser Espiritual, mas também, simplesmente, desfrutar da vida como um Ser Humano, desfrutando e aprendendo com as experiências da Alma, tendo abundância e fartura. Razão porque sua Alma escolheu estar aqui agora.
Portanto, se você é Trabalhador da Luz, que recebeu e recebe do Alto a Sapiência Universal e as Orientações da Luz,  reveja a sua atitude com a abundância num nível mais profundo para que o fluxo da abundância do dinheiro lhe possibilite a construir uma Nova Terra e você possa realizar os seus sonhos num plano mais conciso da realidade. Lembre-se, pois, que pensamentos e emoções criam a sua realidade de vida, a sua abundância ou a sua indigência. O momento é de participar, de buscar e compartilhar ensinamentos, não de isolar-se e viver sozinho no meio do nada e meditar-se em cima de um monte. Permita que a sua energia flua neste mundo como Verdadeiro Ser Espiritual, sabendo dar e receber. Permitindo assim, à você mesmo e à outrem, exercitar o desapego, o desprendimento, a partilha, o amor incondicional, a generosidade, a humildade e o domínio sobre a matéria. Só assim você permitirá à você mesmo e a outrem, a consciência de que a Fonte da Luz da qual tudo deriva e provém é infinita, ilimitada e inesgotável.

Seja um Trabalhador da Luz bem equilibrado, permitindo que a Energia do dinheiro entre naturalmente na sua vida. Não tenha receio de recebê-lo pela sua Obra Espiritual e honre a entrada dele em abundância no seu Meio Espiritual, pois isso faz parte da Natureza Espiritual e você é parte integrante dela.
Thunna Burnama (Thunkásila Hehaka Phá)



sexta-feira, 23 de março de 2018

51. Capela e os Capelinos (REPOSTAGEM)


Capela fica na constelação do Cocheiro, há 42 mil anos-luz da Terra e compõe a Via Láctea.
É um planeta que atingiu uma extraordinária evolução, e que tinha muita afinidade com a Terra, mas milhões de Capelinos rebeldes de lá, dificultavam, no passado, o progresso harmonioso e de virtude de amor incondicional de seu povo. Espíritos que usavam o conhecimento com  finalidade gananciosa, politiqueira e arrogante. Daí, como era impossível a convivência entre os espíritos harmoniosos com os espíritos revoltados e gananciosos, a Mestria Espiritual Cósmica, decidiu bani-los de Capela para o Planeta Terra que estava nos seus primórdios, para que, apesar de revoltados e arrogantes, tivessem o tempo necessário para buscarem a harmonia, e fossem os propulsores na evolução da Terra, usando seus altos conhecimentos tecnológicos.

Os Capelinos eram muito unidos entre si por fortes vínculos raciais e tradições. Era uma sociedade idealista, mas muito vaidosa, gananciosa e arrogante e com a chegada da religião na Terra por total influência extraterrestre, eles passaram a ter um fanatismo religioso doentio, razão de sua arrogância, limitação e ambição.

Esses milhões de Capelinos evoluídos, mas revoltados e gananciosos que chegaram aqui para uma nova encarnação, encontraram o Planeta Terra num progresso muitíssimo rudimentar, com suas tribos bem atrasadas, onde a força bruta era a lei. Assim, os mais fortes, que desconheciam o amor incondicional, abusavam dos mais fracos e os dominavam. A tirania, o ego, a ganância e a força bruta, dominavam o planeta.
Como os Capelinos detinham um alto grau de evolução e progresso, passaram a ajudar o planeta como se fosse sua própria casa cósmica. Mesmo com o esquecimento de sua existência anterior, causado pela reencarnação, eles sentiam muitas saudades e um profundo sentimento de perda de algo, mas não sabia o certo o que realmente pudesse ser. Eles se propuseram a reencarnar sucessivas vezes na África, para organizarem uma civilização com valores espirituais que eles próprios traziam na Alma, além, é claro, da teimosia, bairrismo, vaidade e fanatismo.

Aqui na Terra eles formaram quatro grandes grupos de civilizações, a egípcia, a Indiana, a Israelense e a Ariana. Com o passar dos tempos, inconscientemente, graças a sua inteligência superior, essas raças facilmente avançaram às outras e nasceram grandes civilizações como as que hoje conhecemos.

No início, os Capelinos tiveram muita ajuda de seres de outros planetas evoluídos, que visitam frequentemente a Terra, para, também trazerem o desenvolvimento. A Terra entrou, então, num período de crescimento com os novos conhecimentos. Entretanto, aos poucos começaram a chegar notícias, de “seres mais altos e que tinham poderes de deuses e voavam”. Quando, na verdade eram seres extraterrestres de dimensões espirituais superiores, que vieram trazer a cura de doenças através da Espiritualidade e conhecimentos científicos. Eram seres de consciência ampliada de uma alta dimensão. Muitos deles fundaram grandes templos espirituais para a cura e ampliação da consciência para o povo da Terra. Esses templos funcionavam como a hospitais, onde a cura provinha dos Poderes da Fonte Central da Luz Universal.
Mas muitos Capelinos abusavam  dos conhecimentos científicos e espirituais recebidos desses seres da Alta Dimensão Espiritual e passaram a usá-los para satisfazer sua ganância e ego, criando, então, um clima de total desarmonia e conflito para os próprios terráqueos. As crenças religiosas, as seitas e as doutrinas, cederam lugar aos conflitos, dogmas, imposições, limitações e enganações. Os abusos religiosos cresceram assustadoramente com propósito ambicioso, e o povo cansou de esperar pela prosperidade que nunca chegava, prometida pelos religiosos.

Não havendo mais clima de harmonia, paz e espiritualidade pura e superior, os seres da Alta Dimensão e Luz decidiram sair da Terra, devido a brutal violência, ganância e inverdades  que assolavam o planeta, advindas das imposições, inverdades e doutrinas das crenças religiosas de todas as ordens. A religião com suas induções, artifícios e doutrinas gananciosas impuseram grandes conflitos, insegurança e mortes violentas para todos. Felizmente, a grande maioria dos Capelinos retornou à Capela, mas ainda há muitos deles encarnados por aqui impondo conflitos religiosos com pregações induzidas para enriquecimento próprio.
Thunna Burnama (Thunkásila Hehaka Phá)